Projecto

Procurar no texto: Economia e vida: redes de solidariedade, recursos e estratégias de auto-organização do trabalho para a geração de renda e reprodução social de famílias pobres do Cerrado – Norte de Minas - MG
Coordenador: Luciene Rodrigues
Investigadores: Antônio Dimas Cardoso
Casimiro Manuel Marques Balsa
Investigadores Não Pertencentes ao CESNOVA:

Maria Elizete Gonçalves (UNIMONTES)
Yara Mendes Cordeiro Araújo (UNIMONTES)
Gilmara Emília Teixeira (UNIMONTES)

Resumo:

A compreensão das famílias em seu cotidiano, das formas como elas se organizam, produzem, reproduzem e criam novas formas de viver, suas maneiras de transpor as dificuldades por meio de sua própria visão de mundo, é um exercício complexo. As  estratégias de reprodução social retratam a vida se desenvolvendo dentro daquilo que é concreto na existência das  pessoas, a sobrevivência, a busca diária de superação das adversidades advindas de um contexto de desigualdade e pobreza. Os pobres são partes constituintes do sistema econômico, nasceram dele e diante de um abandono, respondem com uma capacidade de resilir e inovar diante das dificuldades.  Diante desse contexto, a presente pesquisa tem por objetivo (i) analisar, no âmbito sócio-histórico, o contexto social de crise da sociedade salarial, com destaque às grandes transformações no que refere às formas de organização do trabalho e de reprodução social das sociedades capitalistas e na sociedade local; (ii) traçar um perfil socioeconômico das famílias/grupos objetos desse estudo de modo a discutir a ocorrência de mudanças econômicas, sociais e simbólicas dos grupos/famílias estudados; (iii) identificar as diferentes estratégias de reprodução social das famílias pobres e de seus esforços de auto-organização para geração de trabalho e renda, destacando a emergência (ou não) de redes de solidariedade e dos princípios da Economia Solidária; (iv) identificar os recursos normativos, alternativos e contra-normativos mobilizados no cotidiano das famílias, para sua sobrevivência, bem como os recursos não-monetários, proveniente das sociabilidades primárias e do acesso a bens e serviços coletivos, proporcionados pelo Estado ou por setores organizados da sociedade civil, como também pelo mercado.

Palavras-chave:
Grupos de Trabalho: GT2 - Políticas Públicas e Responsabilidade Social,
Data de ínicio: Novembro de 2010
Previsão de fim: Maio de 2012
Parcerias:

UNIMONTES (Brasil)

Entidades Financiadoras:

Fapemig (Brasil)

13 de Setembro 2012

 
 Level A conformance icon, W3C-WAI Web Content Accessibility Guidelines 1.0 Acessibilidade[D] Concepção e desenvolvimento: Plug & Play